Eventos

ENFERMEIRO DORME DENTRO DE CARRO HÁ QUASE DOIS MESES PARA PROTEGER A FAMÍLIA, EM GUARAPUAVA


Willian Arthur Brautigam trabalha em uma unidade de saúde, em Guarapuava, e decidiu mudar-se para a garagem de casa por prevenção e amor pelos pais, esposa e filho.

Por RPC Guarapuava
G1
Há quase dois meses o enfermeiro Willian Arthur Brautigam, que trabalha na linha de frente do combate à Covid-19, em Guarapuava, na região central do Paraná, tem dormido dentro de um carro, em uma garagem, para proteger a família.
Segundo o enfermeiro, ele não apresenta sintomas do novo coronavírus. Mesmo assim, decidiu adotar essa medida como prevenção porque trabalha em uma unidade de saúde.
"A nossa maior preocupação não é ficar doente, mas de levar a doença para a nossa família, para as pessoas que a gente ama", revelou.

Segundo Willian, ele decidiu mudar-se para a garagem para proteger a família, em Guarapuava — Foto: Divonei Ravanello/RPC
Além de adaptar o carro do pai dele, uma rural de 1965, Brautigam adotou uma série de cuidados ao chegar em casa.
Ele tira toda a roupa quando chega do trabalho e coloca em um balde com água e sabão. Desde o início da pandemia, segundo o enfermeiro, ele não entra mais em casa e conversa com o filho, de três anos, pela porta ou janela.
"A gente pergunta para ele o que o papai tá fazendo e ele fala: 'o papai está lá fora matando os bichinhos, mamãe. Enquanto ele não matar os bichinhos, ele não pode voltar’", contou a esposa, Luana Carvalho, sobre a situação com o filho.
O veículo que virou a “moradia” de Willian fica na garagem da casa dos pais, que é no mesmo terreno da dele. A família conta que sente falta do contato mais próximo com o filho, mas entendem o quanto esse gesto de amor é importante.
"Já faz dois meses que a gente está sem esse abraço, sem esse beijo", desabafou a mãe do enfermeiro.
A Prefeitura de Guarapuava disponibiliza um hotel apenas para profissionais da saúde com sintomas da Covid-19, para que fiquem isolados.
Willian não entra mais em casa e conversa com o filho, de três anos, pela porta ou janela — Foto: Divonei Ravanello/RPC





Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.