Eventos

MOVIMENTAÇÃO EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS DA CAPITAL TEVE QUEDA DE ATÉ 80%

POR: BRENO CAVALCANTE, DO JORNAL O DIA

“Não ter circulação de gente na cidade e o volume de vendas despencou, mas isso já era esperado, porque a economia toda está parada", disse o presidente do Sindipostos-PI.

As medidas de prevenção ao novo coronavírus (Covid-19) interferem diretamente o funcionamento de estabelecimentos comerciais, como postos de combustíveis. Sem a circulação de pessoas nas ruas, a movimentação nesses estabelecimentos vem apresentando queda significativa em Teresina, é o que afirma o Sindicato dos Postos Revendedores de Combustíveis do Piauí (Sindipostos-PI).
“Não ter circulação de gente na cidade e o volume de vendas despencou, mas isso já era esperado, porque a economia toda está parada. Ninguém sai de casa, então alguns postos tiveram perda de até 80% em seu movimento”, pontua Alexandre Valença, presidente da entidade patronal, que relacionou este cenário aos decretos assinados pelo prefeito Firmino FIlho (PSDB), alterando o funcionamento desses estabelecimentos. 
Pela norma municipal, postos de combustíveis podem abrir no horário de 7h às 19h, o que segundo o empresário não influenciou muito dada a queda da demanda. Porém, ele criticou a determinação que proíbe o funcionamento das lojas de conveniência nestes locais. “É inapropriada, inclusive põe em risco a saúde da população. Elas poderiam desafogar os supermercados, pois os postos estão vizinhos às suas casas”, argumentou.
Movimentação em postos de combustíveis da capital teve queda de até 80% - Foto: Assis Fernandes/O Dia
Preço
O presidente do Sindipostos-PI também observa uma redução no valor dos combustíveis em todo o estado. A gasolina, por exemplo, que chegou a ser comercializada próximo dos cinco reais neste ano, apresenta hoje uma oscilação entre R$ 3,99 e R$ 4,20, no entanto, sem relação direta com a atual crise sanitária. “Tem mais a ver com a briga internacional, fazendo com que os preços aqui despencassem (...) Para os postos, combustível barato é bom, porque aumenta o poder de compra do cliente”, assegura.
Valença cita um acordo internacional, feito pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), para elevação do preço do barril da principal matéria prima dos combustíveis fósseis, como gasolina e diesel, o que pode inflacionar novamente o preço destes nas bombas dos postos. “Há uma expectativa de subida no preço do petróleo, porém há uma demanda muito baixa, isso pode ser um contrapeso (...) mas se os acordos internacionais elevarem o preço do barril, a tendência é o preço do combustível também subir”, ressalta.
Em meio a toda a crise sanitária, diminuição das vendas e queda no preço dos combustíveis, Valença enfatiza que os postos têm respeitado todas as determinações do poder público, principalmente as sanitárias,como forma de assegurar a integridade dos funcionários e evitar a proliferação do vírus.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.