Eventos

VACINAÇÃO MASSIVA CONTRA COVID-19 COMEÇARÁ EM UM MÊS NA RÚSSIA

Vacinação massiva contra Covid-19 começará em um mês - Foto: EFE


Lotes já produzidos serão aplicados em estudos, o que restar será destinado à população; imunizante não estava entre os mais avançados diz OMS
A vacinação em massa na Rússia contra a covid-19 vai começar em um mês, disse neste domingo (16) o diretor do Centro Gamaleya de Microbiologia e Epidemiologia, Alexandr Ginzburg, que desenvolveu a primeira vacina registrada no país contra a doença, chamada Sputnik V. O cientista indicou que nos próximos sete ou dez dias terão início os estudos em que serão vacinadas dezenas de milhares de pessoas. Isso ocorre após o registro da preparação pelo Ministério da Saúde russo. 

As informações são do R7.

Aparentemente, o Departamento de Saúde de Moscou planeja incluir nessas dezenas de milhares de pessoas médicos que trabalham na 'zona vermelha', onde tratam pacientes gravemente enfermos. E isso está completamente correto." afirmou à agência oficial russa RIA Nóvosti.

Guinzburg destacou que os estudos vão durar entre quatro e seis meses, mas isso não será obstáculo para o início da vacinação em massa da população, que, como declararam as autoridades do país , será voluntária.

“A vacinação em massa vai começar com algum atraso porque a maior parte das vacinas já produzidas serão utilizadas nos estudos. Depois, o resto irá para os cidadãos. O atraso pode ser de duas ou três semanas, talvez um mês” ele explicou.
A OMS (Organização Mundial da Saúde) recebeu com cautela a notícia de que a Rússia havia registrado a primeira vacina do mundo contra a covid-19, lembrando que ela, como as demais, deve seguir os procedimentos de pré-qualificação e revisão estabelecidos.

A vacina russa não estava entre as seis mais avançadas, conforme a OMS observou na semana passada.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na sexta-feira (14) que a Rússia "pulou alguns testes" ao desenvolver a vacina e garantiu que seu país não fará o mesmo.

O diretor dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, Francis Collins, chegou a comparar a uma "roleta russa" a decisão dos desenvolvedores de vacinas na Rússia de pular o que ele descreveu como "partes fundamentais" do processo de aprovação.
Até o momento, a Rússia acumula 922.853 casos de COVID-19 e 15.685 mortes pela doença.



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.